Um mês (quase) sem internet

por Furoa

A internet e os ensinos de Jesus

Como foi explicado no post anterior, eu passei o mês de dezembro inteiro afastado da internet. Minha ideia era ficar totalmente livre, mas não foi possível. Eu precisei usar meu e-mail para ver algumas coisas da faculdade, mandei/recebi mensagens no Whatsapp e não resisti à tentação: gastei um tempo navegando à toa.
Mas mesmo assim, esse mês foi muito importante para mim porque eu percebi como eu estou viciado em informação e como meus relacionamentos estavam fracos por serem muito baseados na internet.

Durante boa parte do tempo eu queria que o mês acabasse logo, ver as notícias, ler artigos, etc. Não poder fazer isso me fez ficar ansioso e perceber que, além de eu estar viciado em informação, a tecnologia é algo que nos anestesia de nossas dores. Sempre que eu estava com um problema, desejava navegar na internet e me esquecer dele. Isso mostrou que muitos de nós, em vez de encararmos nossos problemas, gastamos tempo navegando e isso é um grande erro.
Jesus sempre dedicou um tempo para estar sozinho, falar com Deus e meditar sobre sua vida. Nós precisamos ter um tempo assim, de introspecção, de olhar para dentro de nós mesmos e entender o que está acontecendo. Se não fizermos isso, viveremos sem saber quem nós somos.

De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus levantou-se, saiu de casa e foi para um lugar deserto, onde ficou orando. (Marcos 1.35)

Vários estudiosos vêm afirmando que as redes sociais têm enfraquecido os relacionamentos e deixando as pessoas cada vez mais solitárias. Eu pude perceber isso muito claramente durante esse mês. Eu fiquei o tempo todo pensando em sair de casa, em conversar, em estar com meus amigos e que, tirando os fins de semana, eu quase não conversava. Ter isso em mente me ajudou a focar nas pessoas que estavam próximas a mim e a me relacionar melhor.
Jesus se importava muito com relacionamentos. Ele estava sempre junto com seus discípulos e ensinava sobre como as pessoas deveriam se tratar para viver bem. Como você já deve ter ouvido, o ser humano é um ser social e, sozinho, ele não consegue viver bem.

Jesus muitas vezes se reunira ali com os seus discípulos. (João 18:2)

Se o seu irmão pecar contra você, vá e, a sós com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, você ganhou seu irmão. (Mateus 18:15)

Durante o mês de dezembro, eu também senti falta da natureza. Eu gostaria de ter uma grama para pisar descalço, uma árvore para subir e ouvir o barulho dos pássaros ao invés do barulho incessante da cidade.
A Bíblia relata um Deus que se importa com a terra (veja Gn 9:12-15) porque o ser humano só vive bem na natureza. Ele é parte dela e precisa dela. Nunca seremos felizes se não amarmos a natureza. Pesquisas comprovam isso.

Além de aprender que nós precisamos de um tempo de introspecção, de relacionamentos mais fortes e de um contato maior com a natureza, eu aprendi muitas outras coisas durante o mês de dezembro. Eu me tornei mais presente, percebendo melhor o que acontecia à minha volta, tive uma melhora considerável na minha memória (ela vem ficando melhor desde minha saída do Facebook, no meio do ano passado), consegui mais foco, me tornei menos indeciso e percebi que estar por dentro de todas as notícias não é necessário para viver bem.

Se você gostou dessa experiência, tente aplicá-la em sua vida. Fique um tempo (um dia, um mês, etc.) sem internet e reflita sobre isso. Também não deixe de acompanhar os próximos posts desta série em que falarei um pouco mais das minhas experiências durante um mês (quase) sem internet.

Próximo post: Redes sociais e solidão

Anúncios