Redes sociais e solidão

por Furoa

O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos. (João 15.12-13)

Em dezembro, eu passei o mês todo sem usar a internet (com algumas excessões). Com essa experiência eu descobri várias coisas muito importantes. Aprendi que, se eu quiser ser feliz, preciso me desligar da tecnologia e dedicar um tempo para introspecção, para conversar pessoalmente com meus amigos e para estar no meio da natureza.
Além dessas coisas, eu também percebi uma coisa muito importante sobre mim: eu estava sozinho. Quase todas as minhas conversas aconteciam em redes sociais: Whatsapp, Google+, etc. Mas acontece que essas conversas não satisfazem a necessidade humana de se relacionar, elas são supérfluas e não fazem muita diferença no mundo real.

Reduza as pessoas a uma simples foto e uma linha de texto e imediatamente elas serão muito mais fáceis de ignorar, ou julgar, ou esquecer. (Tom Meltzer, em artigo ao The Guardian)

Como as pessoas usam a tecnologia

Refletindo sobre isso, eu comecei a perceber melhor como as pessoas usam a tecnologia. Se usar muito meu celular me fez ficar solitário e grande parte das pessoas usa muito seu celular, muita gente deveria estar solitária. Então eu pesquisei alguns dados sobre isso e descobri que uma em cada dez pessoas se sente sozinha constantemente e que metade das pessoas acreditam que o mundo está ficando mais solitário em geral. Esses dados são alarmantes.
O que mais causa esse aumento de pessoas solitárias, segundo os estudiosos, é o estilo de vida contemporâneo, especialmente o uso da tecnologia. As pessoas se isolam umas das outras com fones de ouvido; gastam a maior parte de sua atenção no celular, ao invés de focar em quem está perto e preferem ficar em casa jogando vídeo game em vez de viverem a aventura que é o mundo real.
Eu não estou dizendo que você não pode usar tecnologia (até porque estou publicando isso na internet), nem usar fones de ouvido, jogar vídeo game e etc. O que eu quero dizer é que precisamos priorizar o mundo real, não o mundo virtual.

Consequências da solidão

A solidão, obviamente nos faz mais tristes, mas ela também nos traz vários outros problemas mentais e físicos. Ela enfraquece o sistema cardiovascular e o sistema imunológico, nos atrapalha de dormir bem e de abandonar maus hábitos. Para se ter ideia, a solidão faz tão mal quanto fumar 15 cigarros por dia ou ser um alcoólatra.

Desconecte-se

Usar excessivamente dispositivos eletrônicos nos faz solitários e a solidão destrói o ser humano. Se você quer viver melhor, desligue seu celular e seu computador, passe um tempo com as pessoas que você ama. Converse profundamente, entre em detalhes.
Talvez você tenha medo de conversar pessoalmente porque assim você não tem total controle da conversa nem da sua aparência, mas não se preocupe. É exatamente por causa dessa vulnerabilidade que as conversas funcionam tão bem. Para cultivarmos um bom relacionamento, precisamos conhecer um ao outro profundamente.

Nós não vivemos realmente experiências, nós vivemos para compartilhá-las. Estamos nos editando ao invés de sermos nós mesmos. (David Holmes, psicólogo da universidade metropolitana de Manchester)

Jesus ensinou que para sermos mais humanos precisamos de gente e seus primeiros seguidores não deixaram isso de lado. Em Atos está escrito que os cristãos “se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações”. É só na comunhão e na intimidade que nos tornamos gente.
Se você quer ser uma pessoa melhor e mais saudável, desconecte-se. Viva o mundo real.

Próximo post: Viciados em informação

Anúncios